Resenha - A Química

Comentários


Quando comecei esse livro pensei: Parece ser uma boa ideia. Mas quando se vem à mente o nome Stephenie Meyer, ele vem cheio de dúvidas. Mas me arrisquei, comprei o livro e comecei a ler.
E enquanto eu lia, eu me perguntava:  Como uma ideia tão boa deu uma história tão ruim?




A Química conta a história de Alex, ou Espirradeira, Ou Química ou Jules ou como você quiser chamá-la, uma ex agente de uma empresa sem nome. Sua função? Usando química fazer a pessoa sentir tanta dor que confessasse tudo que eles precisavam saber para atingir seus objetivos. Tudo ia bem, então seu parceiro é morto e Alex se vê obrigada a fugir para não ser morta pela empresa para qual trabalhava.


Anos se passam e Alex agora vive se escondendo de seus inimigos, até que seu antigo empregador entra em contato com uma proposta irrecusável: O fim da caçada contra ela, se ela fizer um último trabalho. E é assim que nossa história começa.


Alex, nossa personagem principal, é uma mulher fechada, inteligente e adora seus brinquedos, que podem desde deixar uma pessoa inconsciente até matar sem sem deixar rastros. Gostei muito dela, afinal, existe uma carência de personagens anti-heróis na literatura, mesmo assim, achei a personagem muito mal construída, e MUITO mal desenvolvida. Se ela fosse de fato aquele tipo de personagem, seria muito mais divertido. 





Nossa protagonista, ao se deparar com a proposta, vê nela o escape que tanto precisa para parar de se esconder e de dormir todos os dias com máscara de gás e com armadilhas em todas as portas e janelas. Então aceita. Só que, ao aceitar, ela acaba entrando numa luta que nem deveria entrar, e acaba conhecendo Daniel e Kevin. Não só isso, ela também entra numa disputa de grande leões das corporações secretas. 



E é ai que o livro fica confuso, O livro simplesmente não sabe explicar, e nem introduzir, os chefões das empresas secretas, o que torna difícil entender quem está ao lado de quem e o porquê. No fim você só entende quem está atrás de quem (e não o motivo). O livro até envolve um vice-presidente (que até agora eu não entendi direito a importância dele, já que ele só é citado, e muito mal).



Outra coisa que me irritou muito, foi a falta de lógica nos diálogos da principal com o personagem Kevin, que sempre com poucas palavras pareciam formular um plano mirabolante que o leitor NÃO consegue entender qual é. Basicamente o leitor tem que chegar até a parte da ação para entender o plano (que muitas vezes mudava e outro era formulado sem o leitor entender qual era o novo plano).




Não entenda mal, o livro prende a atenção, mas foi muito mal explicado e mal desenvolvido. Se o livro fosse melhor trabalhado (principalmente os personagens!!) daria um grande livro, já que no decorrer do livro existem VÁRIAS ideias brilhantes.


E falando de ideias brilhantes, não posso fazer essa resenha sem falar dos Cachorros, que por mim eu adotava todos e levava para minha casa. Eles foram, na minha nada humilde opinião, a melhor parte do livro. (Val também ganha nossos corações, já que apareceu muito pouco para ser estragada).

E não posso deixar de lado Daniel, o interesse amoroso de Alex. Daniel é um professor de escola secundária e, na minha mente,  ele era um homem de meia idade, com barba, uma barriguinha e aquele perfil típico de professor secundário (em outras palavras, nada sexy) mas eu shippei ele desde o início com a protagonista. O problema é que, além de um pouco burrinho, o personagem é EXTREMAMENTE (EXTREMAMENTE, EXTREMAMENTE) meloso e cheio de frasezinhas que facilmente deixaria qualquer pessoa com diabetes (não sei vocês, mas fofura demais me dá nos nervos), sem contar que achei o mesmo muito mal desenvolvido e o romance muito rápido e impossível.




O que me leva a outro argumento, o livro é muito rápido e várias vezes pula partes -que depois não são explicadas- que seriam legais de ver o desenrolar, ainda mais porque, mesmo sendo na terceira pessoa, o livro não sai do ponto de vista da Alex, nos deixando com uma visão limitada e frustrante dos acontecimentos.


O livro tem algumas tiradas boas, não nego, ainda assim, acho que Meyer não soube trabalhar o tema, muito menos explicar as correlações, mesmo com toda a ajuda de especialista que ela contatou.

Meyer, que fez um grande trabalho em a Hospedeira - se tirarmos as 100 primeiras páginas do mesmo - estragou seu segundo livro para adultos. Acredito que, se outro escritor colocasse as mãos nesse tema, teríamos algo muito melhor.

E vocês, o que acharam? Fui muito dura?

Lembrando que resenhas de opinião sempre são sob o ponto de vista nada imparcial, então se você quer ler o livro, leia e tire suas próprias conclusões! Todas as vezes a percepção difere de leitor pra leitor :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu pelo comentário!