Resenha - A sabedoria da trilha

Comentários




Resultado de imagem para jack london a sabedoria da trilhaJack London (1876 - 1916) escreveu e especialmente viveu em uma cadência intensa, que lhe arruinou a saúde e o matou jovem. Pescador ilegal, patrulheiro marítimo, operário fabril, marinheiro de longo curso, vagabundo, garimpeiro, jornalista, criador de gado, London viajou clandestinamente nos comboios através de Middle West, pesquisou ouro no Klondike, investigou as condições da vida nos bairros pobres de Londres, fez reportagens da guerra russo-japonesa e da revolução mexicana, atravessou o Pacífico no seu barco à vela e administrou os 1400 acres do seu “Beuaty Rach”. Idealista, romântico, entusiasta, egocêntrico, megalômano, Jack London foi uma personagem calorosa e excessiva, que não desdenhou cultivar a própria lenda.






Apoiado numa estrutura ideológica onde coexistiam um socialismo generoso, idéias extraídas do darwinismo de Herbert Spencer (sobrevivência do mais forte) e conceitos, entendidos de forma algo simplista, de Friedrich Nietzche (a teoria do super-homem), Jack London coloriu a sua escrita com uma espantosa experiência de vida e prodigioso talento de contador de histórias. Movido por uma tremenda ambição e auxiliado por uma excepcional capacidade de trabalho (impôs a si próprio, durante perto dos dezoito anos, escrever diariamente mil palavras), London publicou cerca de cinquenta livros e centenas de artigos. Entre seus livros (romances) mais famosos estão O lobo do mar, Caninos brancos e O tacão de ferro.

A sabedoria da trilha narra a história de um índio, Sitka Charley, que conquistou o impossível: compreender a sabedoria do homem branco, a honradez da trilha e a lei; com isso adquirido achava que entendia até mais que o próprio homem branco, e também, com isso em mãos passou a ter um desprezo por sua própria gente.

Durante o percurso pelo Norte, Stika guiava alguns homens brancos, dentre eles uma mulher, ele se sentia a própria lei. Era ele que mandava, ordenava em tudo... E por um exato momento assustou-se com um orgulho consciente de ser possuidor da sabedoria da trilha, por causa da delicadeza da mulher branca, que tornava um estimulo à sua humanidade; e ao longo do caminho criou uma lei, a do rifle, que se definia em: a sobrevivência do mais forte.

Como muitos colocam, os contos de Jack London são reflexivos quanto as nossas vidas, caminhos e atos; e este em questão não deixa de ser diferente.

Resultado de imagem para jack london
"A verdadeira função do homem é viver, não existir. Eu não gastarei meus dias tentando prolongá-los. Eu usarei meu tempo." - Jack London


Obs: O conto pode ser adquirido através do Domínio Público que encontra-se em pdf e em inglês; ou pelo livro Contos Universais da coleção Para Gostar de Ler Vol. 11 da Editora Ática, o qual tem outro conto do autor como de diversos outros autores considerados como clássicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu pelo comentário!