Resenha - Vivian Contra o Apocalipse

Comentários




"Eu não quero mais ser dócil, eu quero implacável."

E ai galerinha, tudo na boa com vocês?

Hoje estou aqui para fazer a resenha de um livro muito curioso. Interessei-me pela obra sem saber muito do que se tratava. Ganhei-o pedi de natal do meu irmão Willian (te amo irmãozinho), achei a capa maravilhosa linda e o título bem interessante, já que eu gosto muito de historia sobre fim do mundo, apocalipse e afins.

“Vivian contra o apocalipse” é um livro um tanto quanto polêmico. Não se engane o livro não é sobre zumbis, explosões, meteoros ou tsunamis. É sobre fanatismo religioso. Sim caros amigos, o livro fala sobre religião.

Pense em um Estados Unidos da América completamente tomado por uma religião criada por um homem que diz que ouve os anjos, que tem visões no meio do Starbucks, e em outros lugares que deixa tudo até meio cômico. Essa religião é extremamente persuasiva, e a maioria da população começa a se converter e seguir á risca o que o Beaton Frick diz em seu livro – como se fosse a nova bíblia. 



O livro conta a história de Vivian Apple, uma adolescente que tenta conviver com os seus pais que viraram Crentes e que seguem tudo o que o livro de Frick fala. Seus pais tentam convencer Vivian que o “Arrebatamento” está chegando e que só irá subir ao “Reino dos Céus” os Crentes devotos. Vivian nega se converter, mas ela não esperava que o “arrebatamento” fosse realmente chegar. Um dia quando chegou em casa após uma festinha em uma casa chique que foi abandonada, Vivian encontra a sua casa vazia, o quarto dos seus pais com um buraco no telhado e nem sinal deles. No outro dia ela fica sabendo que muita gente sumiu, desapareceu sem deixar qualquer vestígio. Sim, o “arrebatamento” aconteceu, e agora?

Além de ficar órfão, sem a segurança de uma casa com adultos responsáveis, Vivian tem que fugir e sobreviver aos ataques cruéis dos Crentes. Pra eles quem não leva a vida como Frinck quer, não tem direito a viver, deve ser perseguido, espancado e morto. Tudo o que está no livro é lei.

A personagem Vivian é uma adolescente totalmente insegura, em certos pontos eu não conseguia simpatizar com ela, ela tem 17 anos, mas em muitas coisas age como se tivesse 12. E isso fez eu cansar um pouco da protagonista, resultando em uma leitura um pouco arrastada.

Ela esta escondida em casa com seus amigos, mas resolve abandonar eles para ir morar em Nova Iorque com os avós que ela mal conhecia tudo isso só para estar protegida por adultos. Viu como ela cansa a gente?
Mas fora a protagonista, a história é interessante e remete muito que às vezes vivemos na atualidade. Mostra o quanto o extremismo faz mal e que nada disso leva a algum lugar descente.

O livro todo é uma critica para o mundo onde vivemos. E isso eu gostei bastante. 

Existe a continuação do livro, que tem como título “Vivian contra a América”. Digo para vocês que quero ler o livro só para tentar achar as pontas soltas do primeiro. Ficou muita coisa sem explicação, e isso foi um motivo para o livro não ter sido muito bom.

A diagramação, capa e design do livro é maravilho, um dos mais lindo que eu tenho na estante. Editora Agir Now está de parabéns. Folhas amarelas e capítulos muito bem divididos. Tudo muito lindo.
Enfim galera, quem leu essa obra, o que achou?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu pelo comentário!