Resenha - Eu Sou a Lenda

Comentários


"O mundo fico louco, pensou.
Os mortos andam por aí e eu acho isso normal"



E ai galerinha, tudo na boa?

Hoje venho aqui trazer para vocês a resenha de um livro que eu estava muito ansiosa para ler. Quem assistiu ao meu vídeo Booktag – Dia de Semanas em Livros sabe o quanto eu queria ler e ter o livro “Eu Sou a Lenda”, principalmente porque a Editora Aleph fez uma edição maravilhosa.

Estou triste e decepcionada? Sim. 

Então se liga na resenha e fique sabendo o motivo:




“Eu sou a Lenda” conta a história de Robert Neville,  que acredita que seja o ultimo homem vivo no mundo depois que uma praga transformou a população em vampiros.

Sim, vampiros.

Se você assistiu a adaptação onde Will Smith vive na pele de Robert Neville deve estar estranhando essa informação, sim foi um choque para mim.



A história se passa praticamente no mesmo cenário, a casa, a rua e a vizinhança de Robert. O que nos proporciona certa tensão no início, mas que logo se transforma em cansaço. 

Durante muito tempo ouvi falar de Richard Matheson como um grande escritor de livros de terror, tanto que até Stephen King diz que os livros de Richard foram uma grande inspiração para ele. Mas não consegui achar o horror no livro. No início quando tudo era novidade eu perdi o fôlego em certas passagens, mas como eu disso, acaba cansando e ficando até monótono os acontecimentos seguintes.

Talvez seja porque eu iniciei a leitura com uma grande expectativa, pois o filme é um dos meus favoritos quando o assunto é fim do mundo. Acho que essa é a primeira vez que eu prefiro mil vezes o filme ao livro. Acredita?

Claro que nem tudo não é uma perda de tempo total. Ver o quanto uma pessoa que tem força de vontade e dedicação consegue aprender qualquer coisa é fantástico e motivador.
Robert se dedicou incansavelmente a aprender sobre bactérias com esperança de tentar entender o que seria essa praga e talvez até achar uma solução para ele. 



O modo como a solidão total pode levar uma pessoa a loucura, insanidade e até mesmo ao vício. Muitas vezes achamos que ficar sozinho pode ser a solução de muitos problemas, mas ninguém imagina o quanto isso é assustador e devastador.

Como toda obra que trata de fim do mundo, o livro nos ensina muitas coisas sobre humanidade. Talvez seja por isso que esse seja um dos meus temas favoritos tanto em livros como filmes.



Não tiro os méritos gráficos da Editora Aleph. Fizeram um livro digno de colecionador, com uma capa dura maravilhosa, folhas pretas e ilustrações lindas. 
A edição está completa, depois da história temos uma entrevista com o autor da obra e também temos uma crítica biocultural escrita pelo professor da Universidade de Arrhus, Dinamarca - Mathias Clasen.
Mas que infelizmente não foi suficiente para que eu amasse essa obra.

Mesmo assim quero agradecer a Lu pelo presente. <3

Alguém já leu esse livro? O que acharam?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu pelo comentário!