Cinema 4S - Star Wars Episódio VII: O Despertar da Força (Sem Spoiler)

Comentários


Dez anos após Star Wars – A Vingança dos Sith, e três anos após a compra das LucasFilms pela Disney, Star Wars volta as raízes, com um filme que veio para quebrar records, cativar uma nova geração e fazer todos no cinema rir e chorar. Pegue seu sabre de Luz e venha conosco, porque STAR WARS VOLTOU!



Muitas são as críticas aos episódios I, II e III; efeitos visuais excessivos, história fraca, mudança nos eventos, um foco mais no político e menos na aventura. Ano passado fomos apresentados a Star Wars Rebels, a série animada que se passa entre os episódios III e IV. Ali já conferimos o que a Disney estava planejando para o novo Star Wars, mas nem de longe poderíamos prever a grandiosidade de o Despertar da Força.


Muitos reviews falaram dos efeitos práticos, que realmente dão vida ao universo de Star Wars em 10 minutos do filme, mais do que todo o Ameaça Fantasma. Mas o que realmente faz o filme brilhar é o trio principal. Ray, Finn e BB8. A química deles emana pela tela. John Boyega em especial é a encarnação de um fã clássico. Sua excitação ao entrar na millenium falcon, ao atirar com um X-Wing. Ray por sua vez descontrói totalmente o conceito de uma mulher na franquia. Diferente de Leia e Padmé, ela é totalmente independente, não precisando que ninguém a salve, muito pelo contrário. Paul Dameron entra para concluir o trio de humanos, e isso mostra a que passo a Disney de Encontra. Negro, mulher e latino. Esses são os três protagonistas do filme, e são por eles que nós vamos nos apaixonar.


Muitos dos personagens da trilogia original aparecem em episódio VII, alguns apenas como easter eggs, outros até como mentores dos novos protagonistas. A cada aparição uma chuva de sensações. É muito gratificante ver aqueles personagens dos anos 70 e 80 de volta aos seus papéis. Han, Chewie, Leia.


O filme não é feito apenas de maravilhas, muitas questões ficam um tanto quanto mal resolvidas, principalmente quanto a nova ordem, mas por hora, nada que tire o brilho dessa aventura.


No lado sombrio da força somos apresentados a Kylo Ren, e seu sabre triplo. E se ele não tem a imponência de um Darth Vader, o que não lhe falta é background a ser explorado. Não entrarei a fundo para não soltar algumas das grandes revelações do filme, mas esperem algo quase digno de o Império Contra-Ataca. 


Voltando a trilogia original, aqui ela é muito bem homenageada. Não só em easter eggs, mas também nos planos de roteiro. Muito da trama do filme era ser pete os passos de Uma Nova Esperança. O deserto (que pela primeira vez não é de Tattoine) de Jakku, o bar com música ao vivo, a nova estrela da morte. Mas a repetição não causa revolta, e sim um sentimento de nostalgia. JJ Abrams mostra que além de um ótimo diretor, é um legítimo fã da franquia. Alguém que não está ali pelo dinheiro simplesmente, mas pelo amor que apenas alguém que cresceu no meio disso tudo consegue entender.


Mas para quem nunca viu Star Wars, não vá embora. Esse filme foi feito para você. Por mais que um conhecimento prévio da obra seja interessante, chegar no cinema sem saber nada, não trará uma experiência menor. O filme é didático na medida do possível. E assistir Star Wars no cinema é uma aventura única. Pessoalmente eu nunca tinha visto nenhum dos filmes até três anos atrás. Comecei pelo episódio IV, e mesmo com seus efeitos especiais totalmente datados, a história me envolveu. Assisti em seguida episódio V, depois I, II, III, e só então o episódio VI. Se pra mim, um fã relativamente novo, já é emocionante ver aqueles personagens no cinema, entrar em uma sessão onde muitos dos presentes tem mais de 50 anos, e ainda assim, boa parte ali não tem nem 18. Isso demonstra o fenômeno que é Star wars. Cativando cada geração, e que venha a próxima. Ano que vem com Star Wars Rogue One, e daqui mais dois, teremos episódio VIII. Star Wars Voltou, e voltou para ficar. May the force be with you.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu pelo comentário!