Resenha: Selva de gafanhotos

Comentários





Bem vindos ao Éden. Favor, fechar a escotilha após entrar.

 
Bem vindos ao Éden. Favor, fechar a escotilha após entrar.


ATENÇÃO
Antes de começar a resenha é bom eu dizer uma coisa: este livro ou é 8 ou 80, ou seja, você pode adorar ou odiar de todo o coração, por isso leia atentamente a resenha e decida-se, eu estou em processo de decisão.




Confesso que comprei o livro pensando que ele seria uma coisa totalmente diferente, com guerras contra insetos gigantes, muitas teorias e etc. Quem também quer comprar por estes motivos aconselho pensar bem, já que o livro é um drama adolescente. Porém a mistura que ele faz é incrível e vai te surpreender como leitor a descobrir uma nova forma de escrita. A escrita de Andrew é única.

  


A mistura parece ser a chave do sucesso: triângulo amoroso, dúvidas sobre sexualidade, tesão, milhos irrefreáveis, louva-a-deus gigantes, silo, pizzas, satan, deuses e muito mais. Os títulos são instigantes porém vale lembrar que bem sensacionalistas também.

O acabamento do livro é sensacional! A capa é de um verde chamativo e a borda das páginas é pintada de amarelo-berrante, como o marca-texto, o que faz qualquer um querer comprar, a Intrínseca caprichou mesmo! Ponto positivo!

Os pontos mais negativos, porém, são a repetição do autor e os diálogos simples a ponto de se resumirem basicamente a "hum". Se tiver paciência, conte quantos "hum" o livro possui em seus diálogos. 

Metade de todo o texto do livro é "hum". 

A outra metade é "soldados irrefreáveis."

O que começou sendo  bem legal acabou caindo em tédio, já que o autor recapitulava a história a cada capítulo, ou seja, em cada página a narração voltava pra mesma coisa e outra vez e novamente e de novo e repetidamente...
Isso pode enfurecer os leitores que querem um desenrolar mais dinâmico. 

O desfecho me deixou satisfeito, porque o livro em si conta como foi iniciado o fim do mundo, por isso não me frustrei com o final, creio que você também deveria ficar tranquilo quanto a isso.

Mas vamos à história que é o que interessa!

O livro é escrito pelo personagem principal, que adora registrar a história, Austin Szerba. Austin é um adolescente que namora Shann mas que também é apaixonado pelo seu melhor amigo, Robby, que é gay. Entre diversos devaneios que acabavam na imaginação de um ménage à trois, o trio acaba se deparando com uma praga mortal, liberada acidentalmente de dentro de um vidro que se encontrava no escritório do chefe de Austin.

Dentro da redoma ficava um fungo brilhante que, em contato com sangue, conseguia se desenvolver dentro do corpo humano, até eclodir em um imenso louva-a-deus à prova de balas e preparado para duas coisas: transar e comer.
Transar com outro louva-a-deus gigante.
Comer humanos.
 

A vida continua parecendo normal, idas ao cinema, pizzas no Stan (ou Satan, como picharam no letreiro), trabalhos e dúvidas sexuais até que os insetos começam a aterrorizar a pequena cidade de Townsville Ealing.

Você deve estar se perguntando: então porque "Selva de gafanhotos" se os insetos não são gafanhotos? Simples, o título do livro remete ao lugar onde Robby e Austin passavam a maior parte do tempo andando de skate, fumando e conversando.

Mas voltando aos "soldados irrefreáveis", os únicos que sabiam o que acontecera de verdade naquela noite eram os três, a única esperança da humanidade está nas mãos desse trio problemático. Eis o problema.

Mas as coisas começam a se encaixar, as soluções aparecem e a fragilidade de cada um é posta à prova. Até que ponto eles serão capazes de ajudar a salvar o mundo? Será que todo o planeta vai ser dominado pelo insetos? Tem escapatória? Austin vai conseguir o seu tão sonhado Ménage com Shann e Robby? 

Essas e outras perguntas só serão respondidas se você ler Selva de Gafanhotos :)








Conta pra gente o que achou do livro!



Avaliação:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu pelo comentário!