Isso é Ultraviolence, Baby

Comentários

          Quando Lana Del Rey surgiu, logo foi apontada como uma grande surpresa. Um verdadeiro achado, em meio aos clichês que a música pop apresentava. Com uma voz forte mas ao mesmo tempo doce, Lana transformou-se em símbolo de sensualidade e estilo, não demorando para ser amada e idolatrada pelos hipsters. Não custando também para virar uma febre perante os jovens.

A garota dos sonhos. A rainha da tristeza e da beleza.


          Se o seu cd “Born To Die” iniciava a sua entrada no mainstream, agora, ela realmente mostra ao que veio. Com Ultraviolence, seu mais novo álbum, Del Rey nos entrega uma obra concisa e coerente com tudo aquilo que ela representa.

      Existem alguns temas bastante recorrentes em suas letras, como drogas, luxúria, poder, glamour, violência (é claro!) e o amor. Sim, o amor. Correspondido ou não, sóbrio ou não, lá está ele. Sempre ele.
E é nas suas relações amorosas que boa parte das músicas se fixa. Mostrando um mundo obscuro, como se uma neblina pousasse sobre a cantora. Como se fizesse parte de todos nós. Ninguém pode negar que ela é grandiosa em suas “batidas” e, ao mesmo tempo, realista em suas composições. Tornando-se épica.

        Tem uma frase de Bernard Shaw que diz "A juventude é um desperdício nos jovens". Pronto! Acho que essa frase resumiria bem o conteúdo das músicas de Mrs. Del Rey. Nunca foi tão bom errar. Nunca foi tão bom desperdiçar o tempo com besteiras.

A beleza, aqui, está na dor


        Em Brooklyn Baby, ela entoa “I'm talking about my generation, talking about that newer nation”. E nesse aspecto, devemos concordar: ela aborda como ninguém os excessos da vida e da juventude perdida.
Como não gostar do saudosismo em “Old Money”? Como não mergulhar nos segredos na regravação de “The Other Woman” ou assustar-se com a violência nua e crua de “Ultraviolence”?

        Depois de ouvir toda a obra, pode-se constatar que ela voltou. Lana voltou, baby. Com direito à todos os tons de tristeza.

As melhores músicas (Links):


Nota – 8.0





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Valeu pelo comentário!